WK Sistemas
HomeInstitucionalProdutosSuporteCanaisExtranetContato
WK News Siga-nos no Twitter Fanpage da WK Sistemas no Facebook Canal da WK Sistemas no Youtube Google Plus 
Entre em contato com a WK Sistemas
  Favoritos
  Facebook
  Twitter
  Google Plus
  Youtube
  Google Maps
  Linkedin
  Rss
   

PRODUTOS - WK IFRS

IFRS | INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD

São normas internacionais de contabilidade, um modelo contábil que padroniza procedimentos e relatórios contábeis. Sua principal finalidade é tornar a contabilidade no mundo em uma linguagem única e compreensível a todos os usuários.

Iniciou-se internacionalmente em 2001 na comunidade Européia, porém, recomendou-se o seu uso a partir do ano de 2005. Somente em 2007 foi que o Brasil iniciou a convergência brasileira aos padrões internacionais através da Lei 11.638/07, aderindo o IFRS para as Sociedades de Grande Porte. As Pequenas e Médias Empresas (PMEs) não ficaram de fora e através da Resolução do CFC nº 1.255/09 foi aprovada a NBC T 19.41 – Contabilidade para pequenas e médias empresas.

Dentre os principais procedimentos e mudanças na realidade das empresas, destacam-se:

  • Ajuste a Valor Presente;
  • Test Impairment;
  • Ajustes de Avaliação Patrimonial;
  • Taxas de Depreciação, que passaram a levar em conta o tempo em que determinado bem vai gerar de “vida econômica para a empresa”;
  • DFC – Demonstrativo de Fluxo de Caixa (Direto/Indireto);
  • DLPA – Demonstrativo de Lucros e/ou Prejuízos Acumulados;
  • Comparabilidade das Informações;
  • Notas Explicativas;
  • RTT & FCONT.

Essas mudanças refletem na contabilidade societária (escrituração contábil), modificando os critérios de reconhecimento de receitas, custos e despesas. Portanto, é preciso compreender que o resultado (lucro/prejuízo) da contabilidade societária será diferente do resultado fiscal.


A WK Sistemas desenvolveu ferramentas que auxiliam os contadores no atendimento às normas do IFRS direcionadas às Pequenas e Médias Empresas.

AVP – AJUSTE A VALOR PRESENTE

O AVP tem por finalidade efetuar o ajuste para demonstrar o valor presente de um fluxo de caixa futuro como, por exemplo, uma venda ou compra realizada a longo prazo.

O Ajuste a Valor Presente é aplicado no Contas a Receber e a Pagar decorrentes de operações de longo prazo, ou de curto prazo quando houver efeito relevante.


A rotina para cálculo e contabilização do Ajuste a Valor Presente é simples, sendo efetuado o cálculo “Pro Rata Die” e contabilização automática pelo Radar Compras e Radar Comercial em cada transação de compra ou de venda com base nas parametrizações iniciais da rotina, facultando o usuário intervir nas taxas de cálculo ou decidir pela não aplicação do valor calculado durante a finalização do movimento de entrada no Radar Compras ou após a emissão da nota de venda no Radar Comercial.

AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL e o ATIVO IMOBILIZADO

O Ajuste de Avaliação Patrimonial é uma correção do valor apresentado no balanço patrimonial por um ativo ou passivo, em relação ao seu valor justo. Esta correção visa expressar a realidade patrimonial de uma empresa. O Ativo Imobilizado é um grupo de contas que, conforme avaliação, pode sofrer esse tipo de ajuste.

O MTPatrimonial possui recursos que permitem as empresas realizarem a readequação de seu imobilizado, reajustando valores, atribuindo novos prazos de vida útil aos bens patrimoniais e, por consequência, atribuindo taxas de depreciação distintas para cada bem. O MTPatrimonial também permite controle simultâneo entre o fisco e os valores societários, decorrentes das novas práticas do IFRS.


DFC – DEMONSTRATIVO DE FLUXO DE CAIXA

O DFC apresenta informações sobre as alterações no caixa e equivalentes de caixa de um período contábil mostrando o aumento ou diminuição líquida que os mesmos obtiveram em determinado período.

O Demonstrativo de Fluxo de Caixa é dividido em três partes distintas: Atividades Operacionais, Atividades de Investimentos e Atividades de Financiamentos. Pode ser elaborado a partir de dois métodos: Direto e o Indireto. No método Direto são informados somente os recebimentos e pagamentos que refletiram no caixa e seus equivalentes. No método Indireto são apurados a variação do caixa e seus equivalentes partindo do resultado do exercício (DRE) e, em seguida, efetuados alguns ajustes de contas que não refletiram no caixa.


O DFC pelo método Direto está disponível no Radar Financeiro e o método Indireto no Radar Contábil.

DLPA – DEMONSTRATIVO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

Seu objetivo é apresentar o resultado da empresa (Lucros ou Prejuízos) e, a partir deste, demonstrar as alterações nos lucros ou prejuízos acumulados.



O DLPA está disponível no Radar Contábil.


NOTAS EXPLICATIVAS

Uma das demonstrações a serem apresentadas pela contabilidade são as Notas Explicativas. As NEs já são uma operação rotineira para as empresas obrigadas a publicarem suas Demonstrações Contábeis. Com o surgimento da Lei 11.638/07 e a Resolução do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) nº 1.255/09, as NEs passaram a ser obrigatórias não apenas para essas empresas, mas também para as Sociedades de Grande Porte e Pequenas/Médias Empresas que prestam contas aos sócios e usuários externos. O modelo de contabilidade IFRS (International Financial Reporting Standards) obriga as empresas a incluírem as Notas Explicativas em suas prestações de contas.

As Notas Explicativas contêm informações adicionais e justificativas àquelas apresentadas no Balanço Patrimonial, na Demonstração de Resultado e demais Demonstrações. Fornecem descrições narrativas e detalhadas de itens apresentados nestas Demonstrações. E também contribuem com informações acerca de itens que não se qualificam para reconhecimento das Demonstrações Contábeis.

As NEs devem ser utilizadas a fim de tornar as Demonstrações Contábeis mais compreensíveis. Sendo assim, são cada vez mais necessárias devido as inúmeras situações que precisam ser esclarecidas.

Na grande maioria das vezes, as NEs são elaboradas somente após os fechamentos contábeis, tornando sua elaboração passível de esquecimentos, isso porque o fechamento contábil pode ser mensal, trimestral ou anual e os lançamentos contábeis ocorrem diariamente.

Para que isso não ocorra, o Radar Contábil permite vincular, na própria tela de lançamentos contábeis, uma nota explicativa a um determinado lançamento. Desta forma, ao fazer o lançamento, o contador já poderá deixar registradas as informações pertinentes ao próprio lançamento, tornando o processo de elaboração das Demonstrações Contábeis, e mais precisamente das Notas Explicativas, muito mais ágil.


RTT & FCONT | REGIME TRIBUTÁRIO DE TRANSIÇÃO & CONTROLE FISCAL CONTÁBIL DE TRANSIÇÃO

O RTT veio com a Lei 11.941/09, de apuração do Lucro Real trata-se dos ajustes tributários decorrentes dos novos métodos e critérios contábeis introduzidos pela Lei 11.638/07. Surgiu para buscar a neutralidade tributária, ou seja, tornar neutros os lançamentos realizados na contabilidade societária que não são previstos para fins fiscais.

Para que aconteça a correta apuração do IRPJ e da CSLL nas empresas tributadas pelo Lucro Real, os lançamentos de ajustes tributários decorrentes do RTT deverão ser informados em campo específico do Radar IRPJ-LALUR, solução da WK Sistemas que, entre inúmeros procedimentos, apura o cálculo do IRPJ e CSLL. Estes mesmos lançamentos serão também registrados no FCONT, um programa eletrônico instituído pela Receita Federal através da Instrução Normativa nº 949/2009.

O FCONT registrará a escrituração das contas patrimoniais e de resultado, que considera para fins fiscais os métodos e critérios contábeis vigentes em 31/12/2007, ou seja, o Fisco não considera as práticas contábeis adotadas no modelo IFRS para fins fiscais, sendo necessário, então, informar os lançamentos que foram expurgados da contabilidade para efeitos de cálculo do IRPJ e CSLL.